quarta-feira, 1 de julho de 2009

PINA, MICHAEL E O INTER COM NILMAR



Hoje a Folha de São Paulo deu chamada na primeira página, capa e mais 1/2 folha na Ilustrada sobre a Pina Bausch. O Globo não colocou no Segundo Caderno que priorizou a Festa Literária de Paraty , mas deu uma página com bom texto no Obtuário com alguns depoimentos, entre eles de Ana Botafogo, que é da escola clássica, mas sabe bem o valor de Pina para o mundo da dança. A Zero Hora de Porto Alegre também deu matéria de capa do Segundo Caderno com depoimentos de artistas locais. 

Na Folha deparei-me com depoimentos do presidente da Alemanha, Horst Kohler, de Win Wenders, cineasta alemão que estava fazendo um filme sobre Pina, Deborah Colker, Rodrigo Pederneiras do Grupo Corpo e, entre outros testemunhos, um belo e emocionado texto de Gerald Thomas, o genial e polêmico encenador cuja obra é visivelmente influenciada pela de Pina Baush. A meu ver, eles tinham várias coisas em comum, entre elas,  a referência de Samuel Becket no seu fazer artístico.

Voltei a falar hoje de Pina Baush por várias razões, por ter lido essas matérias que reavivaram minhas lembranças e complementaram as informações que eu tinha, porque deixei de falar outras coisas importantes ontem e porque, respondendo a algumas perguntas extraídas dos comentários, talvez a Pina tenha sido mesmo mais importante pra mim do que Michael Jackson.

Mas não é a dança em si que me mobiliza e sim, de uma maneira geral,  os trabalhos que vão fundo e  investigam a condição humana, que vão atrás da lágrima pura e da alegria essencial. Por isso talvez, nos dias de  hoje (sic), eu sinta  Pina como uma figura mais importante do que Michael Jackson para minha formação e minhas descobertas. Eu faço a ressalva do hoje, porque esses dados  ainda estão rolando e, como meu contato com a música do MJ é mais antigo, talvez suas influências sobre mim ainda venham a se revelar de forma mais evidente no futuro.

O que posso dizer no momento é que assistindo a Café Müler, por exemplo, senti vibrarem minhas vísceras, como se sentimentos escondidos, de repente, viessem à tona, numa profusão de imagens,  lembranças e percepções que poucos espetáculos me proporcionaram. É como se falasse de mim e de todos.

Meu interesse pela dança já foi maior em outros momentos em que trabalhei com trilhas para grupos de Porto Alegre. Fui descobrindo dança assim, através do meu ofício e, nessa trajetória, participando de festivais,  fui me deparando com trabalhos muito interessantes, como o Grupo RosasWim Vandekeybus, ambos da Bélgica, Kazuo Ohno, do Japão a quem também assisti em Avignon na França, Dimitris Papaioannou da Grécia e, entre outros O Grupo Corpo e Déborah Colker do Brasil.

Complementando as informações do interesse da Pina pela cultura brasileira, a penúltima foto do post anterior, que várias pessoas comentaram, é do espetáculo Água, conhecida inicialmente como A Peça Brasileira de Pina Bausch, encenada aqui em 2001, depois de pesquisas feita por Pina e integrantes do seu grupo em Salvador.

Pina tinha uma frase pra resumir seu trabalho que eu gosto muito:
"O que importa não é como as pessoas se movem, mas sim o que as move". 

Com esse conceito ela quebrou alguns paradigmas dentro da dança, sustituindo os passos tradicionais, o levantar de pernas, as piruetas e arabesques por movimentos mais soltos, mais livres,  abstratos, muitas vezes introduzindo correrias, gritos, frases soltas, risadas e tudo o que pudesse trazer mais humanidade aos personagens.

Mas não pensem que não precisava ter técnica para trabalhar com ela. Pelo contrário, ela era muito exigente e não era fácil passar em uma audição sua, como observou a Beth em seu comentário ao post anterior. 

Aliás, Pablo, há uma diferenca entre dançarino e bailarino. Dançarino é todo aquele  que dança, mesmo que profissionalmente, como um dançarino de boate, do Faustão ou de uma banda de axé, por exemplo. 

Bailarino é que aquele que tem formação em dança, que estudou as técnicas e que tem uma certa reflexão sobre aquilo que faz com seu corpo. É como a diferença entre arte e artesanato, numa há uma reflexão, um empenho e algo novo, algum elemento de raridade, no outro há uma reprodução, uma manufatura sem maiores consequências. Isso bem à grosso modo, pois esse tema é bem complexo e merece um post a parte.

A frase de Pina sobre o movimento me remete,  a outra do filósofo Jean Paul Sartre:

L’important n’est pas ce qu’on fait de nous, mais ce que nous faisons nous-même de ce qu’on a fait de nous.
O importante não é aquilo que fazem de nós, mas o que nós mesmos fazemos do que os outros fizeram de nós.

Fazendo um mix das duas idéias eu diria que o importante não é somente como nos movemos mas sim a transformação do que nos move em algo produtivo.

Pina me faz ter esse tipo de reflexão, me faz pensar em coisas que possam ter consequências, ao passo que Michael atua em mim em um nível mais periférico,  embora seja musicalmente bastante inspirador.  De qualquer forma os dois cantam e dançam dentro de mim e, como disse Anna Luna, talvez estejam montando um espetáculo conjunto no lugar para onde foram. Que estejam na luz.

Vou parando por aqui, pois ainda vou trabalhar mais um pouco até as 21:00. Depois disso vou torcer para o Inter na final da Copa do Brasil. Hoje o time joga quase completo (só vai faltar o Sandro) com a volta de Nilmar e Kléber que viajaram com a seleção brasileira para a vitoriosa campanha nas Copa das Confederações na África do Sul

Fiquei bem feliz com o que foi dito nos comentários. 
Nina, você tem razão, o Blog ficou às traças, mas agora estou com sede de escrever e falar com vocêdiariamente.
Giselle, Martina,  Hannaly, Carol, Fabiana, Bell,  Mariana e os que já citei no texto, obrigado pela visita.

Abraços a todos
Antonio

Fotos
O inter que joga a final da Copa do Brasil 
O olhar de Pina Bausch
Michael Jackson antes e depois: ele sempre foi inovador. Lançou a máscara de proteção respiratória e a moda das plásticas compulsivas  bem antes da gripe suína e da febre do bottox.


19 comentários:

Jan disse...

Antonio,
É uma delícia lê-lo!
De Pina ao Inter, seu texto nos conduz, de forma leve, a um passeio pelas várias formas de arte: a dança, a literatura,a música e o futebol. Adorei!
Um abraço.

Hannaly Oliveira disse...

Certeza que eles estão dançando horrores onde quer que estejam!

Incrível como em dois posts eu conheci tão bem a arte e a vida de Pina! hehehe

te agradeço por isso!

boa sorte pro seu Inter!

beijones

Jennifer Reis disse...

Totonho, seu único defeito é seu time de futebol, rs.
Mas boa sorte pra ele! :)

Carol disse...

Obrigada pelo carinho de pôr meu nome no seu post :)


O modo apaixonante como você escreve sobre a dança, talvez me leve a aprofundar-me mais no assunto - sempre preferi música a dança - vou agora mesmo procurar um vídeo da Pina! :)

Beijo.

Hannaly Oliveira disse...

Aliás, minha pergunta foi escolhida pra sua entrevista, né?! Acabei de ficar sabendo *______* tô mega feliz!

carinho demaissss =]
beijoneeeeeeees

Rique disse...

Villeroy também é cultura.

Legais suas considerções.
Abx

Beatriz disse...

Parabéns pelo blog e pela arte.
Pina Bausch era uma grande influência e sempre será para todos os bailarinos do mundo.
Foi uma grande perda. Porém talvez isso sirva para algumas pessoas descobrirem o talento da dança.

Bárbara disse...

Tontonho você é viciante!...risos... Toda vez que tenho oportunidade procuro ler seu blog. Virei uma leitora assídua!

É muito gostoso ler cada palavra que você posta. Eu não conheci a Pina, infelizmente, porém fiquei interessada em pesquisar sobre esta grande mulher. O Michael Jackson é uma raridade, já vendeu milhões de discos mesmo após a sua morte. Os dois formariam uma grandiosa dupla, certamente se puderem estarão trocando alguns passos de dança.

Totonho, obrigada por cada deliciosa leitura, boa sorte com o Inter, eu realmente vou torcer pelo seu time assim como torço para que logo em breve possa ter a honra de ler mais uma nova postagem.

Um grande bjo, fica com Deus.

Anônimo disse...

Não sei se o pessoal sacou as notinhas de rodapé do blog.

Muito boa aquela que diz que o Michael se antecipous aos tempos usando máscara de proteção respiratória e fazendo plásticas compulsivas bem antes da gripe suína e da febre do botox.
ahahahahahahah

Muito boa essa ....

Valeu Villeroy
Tá batendo um bolão, mas teu inter tá tomando 2 X 0 do timão.

Se fosse o Coxa (Coritiba) não estaria entregando assim a rapadura

Abração
Marco (Paraná)

Tito (gremista) disse...

A princípio quando comecei a ler oteu blog me perguntei:

o que podem ter em comum Mchael Jackson, Pina Bausch e O Inter com Nilmar.

Agora já sei:
Todos dançaram ...

Mas não dá nada Antonio,
tu és bem melhor que o teu time

Abraço

http://giselle1987.blogspot.com/ disse...

Imagina...nós que agradecemos pelos seus textos. Afinal,o prazer da leitura é nosso!rsrsrs
Abração

Anna Luna disse...

Antonio

Além de grande artista, sempre tão atencioso, tão gentil.

Assim não te largamos de jeito nenhum.

Lindo o post de ontem.
Lamento pelo seu inter.

Beijos

Beatriz disse...

Infelizmente teu time perdeeu.!

Juliana Lima disse...

Adorei conhecer Pina através das suas palavras.Hoje na Inconfidência(rádio super ótima de BH)falou um pouquinho sobre ela,e lembrei de você.


Pena que o Inter perdeu.
Mas hoje vocês irão ficar contentes,pq o meu Cruzeiro vai ganhar do Grêmio,rs.

Beijo grande!!!!!!

PATRÍCIA disse...

To achando que o Antônio nem vai postar hoje depois que o Timão ganhou do Inter.
Escreve Antônio!
Fala de outro assunto!
Fale de seu disco novo, dos shows.
Quando vem a Sampa?

Beijok

Dani Sampaio disse...

Olha lá, Villeroy!

É, sim, uma delícia (re)lê-lo! Já havia deixado de "futucar" por aqui, rs

Sobre o post;

Pina era... . indescritível.(sem mais)
Michael era... inigualável. (sem tempo para mais, rs)

Continuo lendo, continue escrevendo!

(Ps. E esse Inter?!)

Veluma Nunes disse...

Pina e Michael Jackson eram duas maravilhas , já o inter! rs
Parabéens Totonho ,Vc além de tudo é culto! Muito Culto.
Essas maravilhas vão nos fazer falta! Mas talvez sirva pra outras pessoas se interessarem pela arte deles.! beijoos !

Maurinho disse...

GRANDE VILLEROY

TEU BLOG TÁ ÓTIMO.
NUNCA TINHA VIDO AQUI

CRIEI UM BLOG HOJE
AGORA VOU VER SE ESCREVO.
AHAHAH

SUCESSO!!!!!
VOCÊ MERECE

Fernanda Garcia disse...

Mtooo bom poder ler o que tu posta,é uma aproximação a mais com quem admiramos,e além de nos sentirmos mais próximos,'conhecemos' e aprendemos coisas novas!
Não consegui comentar no 'post' anterior..Mas mesmo sendo gremista torci pro colorado(Torcer pros gaviões não da),ai teu time perdeu e o meu tmb..Mas né..Como diz o hino do Grêmio..Com o ___ onde o ___ estiver!

BeijO Villeroy e não 'desapareça'!