sexta-feira, 24 de outubro de 2008

SÃO SEBASTIÃO DO RIO DE GABEIRA


 Essa semana,  o Rio voltou a ser uma cidade ensolarada,  como aquela que  imaginava na minha infância nos pampas, com mar de ondas verdes  e espuma luminosa, a geografia delineada e os passaros nítidos contra o céu azul.  

Com o tempo bom, voltei a pedalar e, durante meus percursos, revivi algumas passagens da história de amor que tenho com o Rio de Janeiro., começando pela primeira  canção que compus, uma ode ao Rio, que escrevi quando tinha 10 anos de idade.  

Estávamos em São Gabriel no mês de fevereiro e forçados pela chuva, meu irmão Gastão, meu primo Didito e eu resolvemos fazer um campeonato de canções. Não tocávamos nenhum instrumento a não ser bater em latas e mesmo assim nos separamos em quartos diferentes, eles em dupla e eu sozinho para compormos à Lupicínio, sem acompanhamento imaginando a harmonia na cabeça.

No quarto em que fiquei, havia uma revista com uma reportagem sobre as chuvas de verão do Rio, com imagens de deslizamentos e carros arrastados pelas águas. Aquilo para mim parecia um contrasenso e felizmente nas páginas seguintes apareciam fotos do Rio como eu gostava de ver, cenas do Maracanã, os cartões postais, os bikinis em Copa e Ipanema

Rapidamente rabisquei um refrão que era simplesmente o nome da cidade repetido com uma melodia que ia mudando e alguns versos falando das praias, dos  times, das belezas naturais com rimas  ingênuas do tipo Copacabana e Vasco da Gama.  

Cinco anos depois, nas férias de julho, finalmente conheci o Rio e aqui festejei meus quinze anos de idade. Vim com meus irmãos, Gastão e Carlos Eduardo, em um ônibus da Viação Penha numa viagem de 24 horas, deixando para trás as manhãs enevoadas e as folhas brancas de geada do inverno gaúcho.

O contato direto com a cidade foi um deslumbramento. Tudo era vivo e novo,  a luminosidade, os perfumes, o colorido da paisagem, as roupas estampadas, as peles douradas das meninas e os cabelos descoloridos dos surfistas. Ia a  praia todos os dias e me esbaldava pela noite de  atmosfera inebriante com brisa leve e maresia.

Passei parafina no cabelo, peguei jacaré no Arpoador, voltei queimado de sol e com os cabelos amarelados nas pontas. Queria conservar-me assim até o verão, mas o mês de agosto do sul tinha um sol tênue, muito bom pra se comer bergamota  no portal de casa, mas que não sustentava o bronze por muito tempo e assim voltei à minha cor invernal que se manteve até a chegada de dezembro.

Passados muitos anos, estava em Viena para fazer alguns shows  num clube de jazz chamado Porggie & Bess e encontrava-me na casa de uma amiga, Denise Fontoura, entre o Natal e ano novo quando, na televisão local,  passou uma reportagem sobre o Rio de Janeiro que mostrava o massacre da Candelária, a chacina de Vigário Geral e outras mazelas. 

Assistir àquela matéria em um país distante com a neve caindo lá fora a menos 16 graus centígrados, provocou-me um profunda tristeza.  Senti que só fazendo uma nova canção poderia aliviar minha dor.

Então lembrei que dias antes de minha viagem à Europa, assistira em Porto Alegre,  junto com meu amigo e grande músico Jorginho do Trumpete, que é filho de mãe de Santo, a uma cerimônia de Umbanda na beira no Rio Guaíba. E fiquei com uma levada de percussão na cabeça que era, como Jorginho me explicou, um ponto de Oxóssi. Assim como no Rio de Janeiro, no Rio Grande do Sul Oxossi é sincretizado com São Sebastião.  

Daí fui ler sobre Oxóssi e,  num um livro de Pierre Verger aprendi que ele é caçador, irmão de Ogun e tem outros nomes/qualidades: Odé, Otin, Inlé ou Iboalama.

Fiquei obcecado com a idéia de compor uma música com a levada percussiva do ponto de Oxóssi e, para fazer a letra, resolvi pesquisar também sobre a vida de São Sebastião.  

Foi então que aprendi que, por volta de  300 DC, Sebastião alistou-se no exército romano e veio a fazer parte da guarda pessoal do imperador Diocleciano, não no intuíto de protegê-lo, mas sim de, clandestinamente,  prestar socorro aos cristãos cuja perseguição havia sido decretada pelo mandatário de Roma. 

A imagem que conhecemos do Sebastião flechado  reconstitui o dia em que, ao tomar conhecimento das ações do seu soldado, o  imperador condenou-o por traição e ordenou sua execução por hábeis arqueiros da Mauritânia que deveriam crivá-lo evitando acertar  os seus órgãos vitais para que seu suplício fosse longo. 

Eis que, apesar dos numerosos ferimentos, Sebastião sobreviveu ao atentado e foi socorrido por uma viúva chamada Irene (Santa Irene) que o ajudou a se reestabelecer,  para depois retornar ao centro do império e prosseguir com a missão a que se havia incumbido. No dia 20 de janeiro voltou a apresentar-se perante Diocleciano, para reafirmar a sua fé e censurar as injustiças e crueldades praticadas pelo Imperador que manbdou espancá-lo até a morte.

Como se sabe, Sebastião foi canonizado e passou a ser também venerado como protetor da humanidade contra a peste, a fome e as guerras.  

Logo depois de assistir àquela reportagem na TV austríaca,  todas aquelas informações sobre o Santo e o Orixá vieram à minha cabeca e juntando-se ao fato de São Sebastião ser o padroeiro do Rio de Janeiro comecei imediatamente a fazer uma canção, com uma melodia sinuosa que fazia lembrar as curvas da cidade com uma harmonia e um ritmo que se aproximavam da bossa nova. No princípio relutei pois meu desejo era compor com o ritmo do ponto do Oxóssi, mas a canção foi se impondo e deixei que ela viesse no formato que me pedia. Em menos de uma hora estava pronta.

Batizei de São Sebastião em homenagem ao padroeiro e fiquei tão entusiasmado que, logo depois, liguei para o Gastão que estava no Rio pra mostrar a nova criação. Ele, com seu humor habitual exclamou:

-     - Daquela sua Rio de Janeiro pra cá, melhorou muito!                                                                

       Décadas haviam se passado e ele me fez lembrar daquela antiga música guardada em um remoto caderno da minha infância. 

       São Sebastião (a canção) teve, até hoje, quatro gravações. A primeira ocorreu em Viena por uma dupla de cantores brasileiros residentes lá, Izabel Padovani e Marcelo Onofri. 

   Em 2004, gravei no meu primeiro disco ao vivo com a Orquestra de Câmara Theatro São Pedro de Porto Alegre levando a música a ser indicada ao Grammy Latino como Melhor Canção da Língua Portuguesa. 

    Depois foi a vez de Mart' Nalia gravar no seu belíssimo disco Menino do Rio dirigido por Maria Bethânia que fez intervencões recitando versos de Vinícius de Moraes

     E finalmente gravei uma outra versão no DVD Sinal do Tempos, novamente com o acompanhamento luxuoso da Orquestra de Câmara Theatro São Pedro e que pode ser conferida  no meu site. Lá estão letra e música e no Hot Site há  uma versão inteira para se escutar. 

    Hoje é sexta-feira, o fim de tarde continua bonito com cigarras cantando e daqui a pouco vou sair para uma sessão de autografos do poeta Fabrício Carpinejar na Livraria da Travessa do Leblon. 

    Olho pro Rio e lembro que suas matas são protegidas por Oxóssi. A cor de Oxóssi é o verde. E é com verde que vou sair vestido sábado e domingo.  Por isso convido os simpatizantes com Fernando Gabeira a fazerem o mesmo. 

    Recebi e repassei um e-mail falando disso, para criarmos uma onda verde e, silenciosamente mostrarmos a nossa preferência política e influenciarmos os indecisos na eleição de domingo.  

    O governador Sérgio Cabral decretou  feriado na segunda para ver se os eleitores de Gabeira, que ele julga serem mais abastados, façam uma debandada da cidade e esvaziem a eleição. Mas os eleitores de Gabeira também são mais conscientes e não trocarão 4 anos que podem mudar a cidade para melhor por um fim de semana prolongado.

     Então é isso gente. Bom fim de semana, voto consciente e bons passeios.

Abraços a todos

PS. Como sempre, tenho lido atentamente todos os comentários. Obrigado pelo carinho e contribuição de vocês. Hoje fiquei sem tempo para falar sobre isso, mas num outro post falarei. 

13 comentários:

Fabiana. disse...

Que história linda, relembrar a infância e os anos, pelo menos pra mim, eu não consigo lembrar certas coisas que eu queria lembrar com detalhes. Mas o seu relato foi sensacional, até li em voz alta pra que eu mesma escutasse, soou bem melhor, viu?
Quanto à esse final de semana vou resolver questóes trabalhistas e uma caminhada pela orla de Copa de ponta à ponta até a urna eletrônica e de lá pra casa. Uma benção apreciar esse mar, esse tempo bom. Lembranças, bom passeio e bom trabalho pra semana toda!

Fernanda Garcia disse...

ADOREI saber da história de São Sebastião,é linda.É "estranho",mas quando eu leio o que tu escreve eu imagino as cenas,a tua expressão,a cor da bergamota e o vento frio de São Gabriel(cidade onde minha família por parte de pai reside).

É tri legal saber que um maravilhoso cantor e compositor como tu és,"expõe" uma parte da infância as preferências,etc..Num bolg(que serve para "isso)...


Parabéns pelo blog...E to torcendo pro Gabeira hein...(Eu que nem voto e nem moro no RJ)...


Bjos.

Girl disse...

Adorei! Votar certo é votar em Gabeira!
Também dediquei um "artigo" do meu blog as eleições do Rio.
Acho que o mais importante neste momento é a população, seja ela carente ou não, votar consciente. Saber em quem estamos votando é o primeiro passo para se construir uma cidade segura, desenvolvida etc. Li muito sobre a vida de cada candidato, e tenho certeza que Fernando Gabeira é o mais capacitado pra transformar a cidade do Rio de Janeiro em algo melhor para todos os cidadãos.

PARABÉNS pelo post! ;]

Hannaly Oliveira disse...

Aaaah o Rio, calor, bikini, praia, gente bronzeada.. deve ser o sonho e quase todos os gauchinhos entre 10 e 15 anos né? ou nao? Enquanto isso os cariocas não dão a mínima.

Esaa semana eu me senti realmente morando no Rio, uma legítima CARIOCA! os termometros subiram, fui à praia. e fazia tempo q não sabia o q era pisar na areia. Vivo no Recreio e há meses não conseguia ter um fim de semana CARIOCA! Acho que devíamos aproveitar mais tudo que a cidade nos oferece, e poderá oferecer ainda mais quando Gabeira estiver lá. Vou te contar, realmente a parte consciente da população vai votar nele. Até o presente momento, todos a quem perguntei votarão no Gabeira, a vitória dele é quase certa. Enquanto isso eu fico aqui torcendo e fazendo campanha pra ele pela internet!


Nossa, Antonio , eu gosto tanto de vc q poderia encher 3 abrigos nucleares e ainda sobraria carinho para todas as criancinhas abandonadas da Índia! :)

<3

Um beeeeeijo ;*

Cris disse...

Caro Antonio,

aqui Cris, uma psicologa de Santos, que adora o Rio, que se sente feliz toda as vezes que poe o pé por ai..
tbem gosto da Praia do Cassino em Rio Grande, conheces?
se estivesse por ai tbem votaria no Gabeira e hoje estou de VERDE, mesmo tão distante,
serve voto intencional?obrigada pela historia sobre S Sebastião, sobre o sincretismo.
abraços,
espero ve-lo ainda aqui por essas terras,
e como aprendi lá no Bolacha, tu mereces...

Belle disse...

Oi Totonhooo!!!!
Hoje meu dia foi meio estranho...algumas coisas loucas acontecendo mas algo salvou...finalmente consegui comprar seu DVD!!!! Poxa já tinha o CD mas o DVD estava meio difícil de achar! Estou aqui o assistindo e por uma grande coincidência lia o seu post enquanto escutava a sua linda composição "São Sebastião", realmente, o dia está estranho mas agora pra melhor!!!
Obrigada por dividir com a gente suas experiências e seus conhecimentos.
Não vejo a hora do dia 14 de novembro chegar pra poder ver seu show maravilhoso mais uma vez!! Enquanto isso vou me contentando em te ver no DVD!!! rsrsrs...
Parabéns pelo trabalho maravilhoso!
Beijos,
Isabelle.

Belle disse...

Opa...errei na data!! Vai tocar no Rio dia 12 né? Melhor ainda...menos 2 dias pra sofre!! rsrs...
Beijos!!!

Kiana_Nursing disse...

Oi Totonho!!!
Eu aki novamente hihi
Li o post anterior,poesia mto linda Almíscar!!!Parecia q sentia todas as sensações em cada palavra q lia!!!Vc tem um Dom incrível com as palavas...impressionante!!!!
Ah,e qnto ao post de hj,axei tao fofo,vc relembrando momentos de sua infancia e juventude,entre o Rio e o Sul,sobre seus sentimentos entre os dois lugares,tudo de diferente de existe entre o o frio do inverno e o calor do verão e cmo isso influencia o comportamento [vide o relato do cabelo com parafina e pele bronzeada rsrs]
E ainda,o relato de cmo surgiu a mpusica São Sebastião,q p mim,é uma musica mto bonita,letra e melodia massa hehehe Vindo de vc,só pode ser mto bom né?Sou suspeita em falar,p/ vc Totonho,só tenho elogios mesmo!!!! =D

Mas interessante vc relatar passo a passo cmo surgiu sua inspiração p compor a música,toda a pesquisa,todas as coisas q influenciam o aparecimento da música e o decorrer da sua criação...Me sinto privilegiada de poder acompanhar isso através de seus posts,parece q ao ler suas palavras,entramos em seu mundo,sua visão das coisas...Aiaaiaiai é mto bom tê-lo assim tao perto de nós,seus fãs!!!

Ahh e hj,Domingo de eleição torço p q seu candidato vença,e possa fazer um Rio melhor p todos,sei q vc escolheu o melhor representante,seu discernimento nos mostra q o bom está com vc!!!=D



Xerooo de sua fã potiguar

Ps:Cmo sempre,escrevo demais =P

Francieli disse...

Oi Antonio, adoro essa história sobre a letra de São Sebastião. É sempre interessante saber qual foi a idéia original, tudo que antecedeu a composição. Como disse Fernanda fico te imaginando guri, compondo e tocando em latas.

Aqui em Porto Alegre choveu por alguns dias, quase viramos sapos, mas no meio da tarde de hoje a chuva deu uma trégua e abriu um lindo sol que alegrou a cidade. Ainda pela manhã, no Teatro São Pedro, teve o concertos CEEE com a participação do talentoso e irreverente Hique Gomes. Muito bom!

A apuração foi disputadíssima no Rio. A frase do Paes após a confirmação da vitória foi: "O Rio vai ficar muito melhor com Eduardo Paes, Sérgio Cabral e o presidente Lula". Que assim seja!

Fogaça, meu candidato por falta de opção, com quase 60% dos votos foi o primeiro prefeito reeleito em PoA. Seria ótimo se tivéssemos um político realmente preocupado com a população e que não deixasse para correr contra o tempo, tentando realizar e concretizar projetos somente no período que antecede as eleições, mas como dizia Renato Russo: "Quem acredita sempre alcança".

Juliana disse...

Antônio,
Olá meu querido,adorei a história sobre São Sebastião,viajei com você nas suas recordações,é sempre bom ficar sabendo como surgem as composições.
Acabou de sair o resultado das eleições,aqui em BH o meu candidato foi eleito,mas eu fiquei tão triste porque Gabeira não ganhou,acho que hoje o Rio perdeu uma chance de melhora e principalmente de mudança,é uma pena.

Beijo grande!

Camilinha Ribeiro disse...

totonho t adorooo :)

Juliana Manso Presto disse...

Oi Totonho,
So um pequeno desabafo: quem dera em SP tivessemos algum candidato que realmente merecesse um voto...Como eu queria ter tido o Gabeira aqui!
Enfim, estamos aqui com o Kassab que nada sabemos! 4 anos nos dirão!
Beijos e ate dia 04/nov no Tom JAzz!

Ana disse...

Estava mais ansiosa pelas eleições aí do Rio, com Gabeira, do que com as daqui, que já tinha um candidato certo!
Foi uma pena ele ter perdido! Mas pelo que vi, muita gente que o paoiava não estava na cidade no Domingo, e não puderam votar! Bom, paciência! Aqui também não foi eleito quem eu queria, mãããs... ;~